Quando usar maiúscula e quando usar minúscula?

Fique atento a este erro feio na sua redação e na mídia também!

Tem umas falhas de português que os alunos não percebem, mas deveriam perceber. Eles não percebem, repetem o erro, e acabam levando para a vida profissional. O de hoje eu encontrei na mídia.

Este trecho abaixo estava num portal de notícias e contém um erro crasso (crasso = que mostra falta de conhecimento básico). Qual seria ele?

correção de redação

Sim, é um erro relacionado ao uso de maiúsculas.

Brasil é nome próprio, por isso é escrito com maiúscula.

Não sabe o que é nome próprio?!

É exatamente o que a palavra diz: o nome é próprio daquele ser/objeto, é como se ele fosse batizado com o nome.

Você tem um nome próprio que é seu nome. Países também têm. Empresas, como sua escola, seu cursinho, têm nome próprio.

É diferente de palavras como estas:

  • país
  • pessoa
  • cidade
  • escola

Esses não são próprios, são comuns, percebe? Indicam uma categoria, um grupo de coisas/seres. E quando se escreve um nome próprio se usa maiúscula.

correção de redação

Ok, ok, você pode estar achando um exagero eu fazer um artigo sobre isso, mas você não tem ideia de como os alunos erram isso! Sim, até os que estão às vésperas do vestibular!

Quando eu digo a um aluno “tem uma falha ali”, pensando que ele vai notar de imediato falha de maiúscula, ele simplesmente não a enxerga… Vai perder pontos em provas por bobagens! Por um tópico básico, aprendido durante a alfabetização.

E não é muito respeitoso escrever o nome do nosso país com minúscula, cá entre nós, né?

Estes artigos estão bombando:

Alguns alunos são diferentes da maioria…

O que acontece se você esquecer o título?

post 790 – Fazer inversão sintática na redação Enem garante nota 1000! Será mesmo?

É verdade que redação 1000 tem que ter inversão sintática?

inversão sintática na redação enem

Dias atrás me falaram sobre um vídeo que dava algumas dicas para tirar 1000 na redação Enem (ah, essas dicas criativas…). Ele dizia “para tirar 1000 na redação Enem é preciso fazer inversão sintática”.

Muitos alunos comentavam agradecendo por essa dica absurda! Antes que você também acredite nessa bobagem, aqui vai a verdade sobre isso.

A verdade é simples:

Essa obrigatoriedade é um absurdo sem tamanho!

Como é que é? Você não sabe o que é inversão sintática?

Ah, mas eu estou aqui pra explicar mesmo!

O que é inversão sintática

É fácil entender com este exemplo:

Ao prédio do Congresso os manifestantes foram para mostrar sua insatisfação com o plano econômico.

Meio erudita essa frase né? Formal demais para o que se costuma usar. Sim, ela é mais sofisticada, exatamente porque está na ordem inversa!

inversão sintatica no enem

Falar desse jeito é mesmo estranho nos dias de hoje – experimente, e vão te achar esnobe!

Na literatura é bem comum encontrar inversão sintática. E digo mais: muitas vezes é por causa da inversão sintática que certos livros lhe parecem difíceis de serem lidos.

E qual seria a ordem direta dessa frase?

Seria esta aqui:

Os manifestantes foram ao prédio do Congresso para mostrar sua insatisfação com o plano econômico.

É o jeito usual de se falar e de se escrever também.

É errado usar inversão sintática?

Não, é corretíssimo! Mas não é obrigatório usá-la.

Tanto a ordem direta quanto a indireta – a inversão sintática – são absolutamente corretas

Alunos com mais prática, mais treino com a escrita, em algum momento vão lançar mão da ordem indireta – da inversão.

Aluno sem prática (a maioria, né?) vai se sentir inseguro de fazer isso, e vai continuar na ordem direta.

Só isso.

Ambos estão corretos, cada um no seu nível.

Ambos os alunos podem ganhar nota 1000 na redação Enem… ou não! Não tem nada a ver com usar inversão sintática.

Redação Enem com inversão sintática tem nota 1000?

Não existe relação entre uma coisa e outra. O corretor não vai procurar inversão sintática na sua redação. Ele tem mais o que fazer…

Fico eu aqui imaginando um aluno médio tentando inverter frases a esmo para ver se consegue 1000! Já pensou a encrenca que seria a redação dele? A clareza ia para o espaço (e o tempo de prova também).

inversão sintática no enem

É aquilo que eu sempre falo: quando você ouvir por aí “na redação do Enem é obrigado fazer isto ou aquilo”, acalme-se, busque o manual do candidato na internet, e veja se isto ou aquilo está lá.

Quem manda é o manual/edital do Enem.

Se não estiver no manual, esqueça, não ponha mais bobagens na sua cabeça, além das regras que não existem, sobre as quais sempre comento neste meu blog.

O pessoal também está gostando destes 2 posts:

Descubra por que você demooooora para escrever a redação

Este senhor não entende por que as redações dos alunos são tão ruins…

Onde tem que pôr a tese da redação?

Se você enrola pra começar a redação, é isto que acontece

correção de redação

Redação tem que ser objetiva. Entre logo no assunto, sem enrolar!

Veja o que acontece quando o candidato enrola demais para dar a tese.

Aqui vai o trecho inicial de uma redação que está aqui na minha tela, sendo avaliada. É de um aluno do curso virtual para vestibular. O que eu quero é que você perceba onde está a tese:

correção de redação

E então?

Achou?

Você deve ter achado a tese lá no começo do parágrafo III, não foi?

Foi sim!

É errado isso de deixar a tese no parágrafo III?

Errado errado não é. Mas é um problemão para um candidato numa prova, porque a prova tem 30 linhas, e deixar para indicar a tese lá no meio das 30 linhas significa que não vai sobrar praticamente nenhum espaço para a argumentação.

Esse meu aluno já ocupou 10 lnhas (1/3 da redação) e… nada de tese!

E a argumentação, eu já tinha falado, é o ouro da sua redação! É ali que mora a maior parte da sua nota!

Então procure deixar a tese logo no primeiro parágrafo.

Claro, se você tiver uma letra miudinha, até dá para demorar mais para dar sua tese, mas… eu sugiro deixá-la clara o quanto antes.

Por que os alunos costumam demorar para dar a tese?

aluna com dúvida na redaçãofreepik

Isso acontece quando o aluno ainda está no rascunho, mas acha que já está fazendo o texto final. Para ele, rascunho e texto final são a mesma coisa. Sim, algumas escolas nem ensinam a diferença!

O rascunho mostra seu cérebro pensando. É bagunçado mesmo. Rascunho organizadinho não é normal.

Seu cérebro pensa geralmente misturando sua opinião (=tese) com suas justificativas (=argumentos), e é assim que aparece na escrita do rascunho.

Mas isso pode acontecer também porque os alunos se preocupam em dar um contexto logo de cara – sabe aquela coisa do “como que eu começo?”? Então… esquecem que a tese é o mais importante no começo da redação, não o contexto!

Se esse aluno começasse a redação exatamente com a primeira frase do parágrafo III… ia ficar perfeito, você não acha! O restante pertence à argumentação.

Isso é o tipo de coisa para a qual você precisa ficar atento ao reler a redação. Reler a redação leva mais tempo que rascunhar a redação, e o motivo é esse mesmo: você localiza falhas e melhora tudo na releitura, não enquanto está concentrado em rascunhar rapidamente suas ideias!

Você pode perder nota se sua tese vier no parágrafo II ou III?

aluna com medo de perder nota de redação – freepik

Perder nota propriamente não, mas é como eu disse: que espaço você terá para argumentar? Quase nenhum.

Sem falar que o trecho que vier antes da tese provavelmente não terá utilidade ou será parte da argumentação fora de lugar! Aí sim você vai perder pontos! Argumentação vem antes da sua tese, é o jeito mais fácil e lógico.

Então rascunhe sem se preocupar com a ordem das coisas, mas ao reler sua redação trate de localizar a tese e ponha-a lá no começo do texto!

Veja meus artigos mais lidos:

Acabe com a repetição de palavras sem usar sinônimos!

Dicas de uma professora para sua argumentação!

Aliás, estou postando minhas dicas no blog do site RedaçãoOnline também, já está sabendo?!

post 788 – Outro erro que ninguém sabe que é erro

Muitos alunos continuam escrevendo errado esta palavra – você também escreve?

Eu precisava falar desse erro de ortografia super comum entre meus alunos. Acho que 40% deles o cometem!

Vou usar este trecho da redação do aluno virtual, João Paulo, que vai tentar vaga num curso de Direito. Descubra qual o erro de ortografia.

(erro de ortografia = uso da letra errada ou colocação de sílabas fora de ordem)

Estou apostando que você não descobriu…

Do lado esquerdo…

Está escrito “esteriótipo”.

Não é assim que se escreve essa palavra!

O correto é “estereótipo”.

Essa foi rapidinha! Até breve!

Estes artigos fazem sucesso:

Por que você tem medo de usar “daí” na sua redação?

E reticências? Tem medo de usar?

Este aluno teve ótima nota na redação, mas você vai achar que ele não mereceu

Aprenda a detectar estes tipos de erros na sua redação sem precisar de corretor – aulinha prática!

correção de redação

Sim, vamos ver hoje algumas falhas bem sérias para você já ficar esperto ao escrever sua redação para vestibular ou concurso.

Isso vai te ajudar a melhorar sua nota de imediato!

Para a aulinha de hoje, temos uma redação divulgada por seu autor, e que teria obtido uma nova 8,6 aproximadamente num vestibular de medicina no estado de SP.

Leia-a e em seguida você vai me acompanhar, para aperfeiçoar sua capacidade de encontrar, você mesmo, falhas na redação. Sugiro que você abra a imagem em outra janela para acompanhar melhor, até porque a letra do aluno é muito pequenininha. Vamos lá?!

correção de redação
correção de redação

Uma introdução exagerada

Você notou que Kant apareceu na história? Segundo o aluno, é com base no que Kant dizia que algumas pessoas são favoráveis ao fornecimento de medicamentos de alto custo pelo SUS.

Eu não acredito que todas essas pessoas favoráveis tenham lido Kant, sinceramente…

Professor repete mesmo, e eu vou repetir isto: cite fontes que você conhece, para não afetar seu argumento, ok? Cite o que você conhece bem, ou não cite nada, por favor.

Eu também quero chamar sua atenção para o tamanho da introdução. Notou que ela ocupa 1/3 da redação? O que você acha de uma introdução que ocupa todo esse espaço?

É ruim, porque a maior parte de sua pontuação depende do meio do texto, não das extremidades, e quanto mais você se dedicar ao meio do texto, inclusive tendo mais espaço para isso, melhor pra você.

Se você “gasta” tudo que tem para dizer na introdução… o que você vai falar no desenvolvimento?!

Um motivo para o aluno em questão ter escrito uma introdução desse tamanhão é que ele desenvolveu a própria introdução! Ele não deixou muita coisa para a argumentação. Lembra que introdução de dissertação serve para mostrar a tese que será justificada depois?

redacao perfeita

Introdução não é desenvolvida nela mesma! Deixe um gostinho para o leitor descobrir no desenvolvimento!

E qual seria a tese desse aluno? Me parece que ele está criticando que ministros decidam se o SUS deve ou não fornecer medicamentos de alto custo. Essa tese veio no final da introdução, como é o caso normalmente; e o que veio antes? Merecia todo aquele detalhamento? Falar do lado filosófico do assunto era coisa para argumentação, isso sim!

Aproveitando que chegamos à tese, não sei se você notou, mas ela era uma conclusão do que tinha sido dito antes. Opa… será que era mesmo?

Vamos ver… Ele tinha dito que uns querem o bem para o maior número de pessoas e são contra a distribuição dos medicamentos, e outros, pelo que entendi, concordam em seguir a regra geral. A conclusão do aluno é que ministros não devem decidir o caso.

Como foi que os ministros apareceram ali?! Conclusãozinha incoerente, não é?

O que este desenvolvimento tem a ver com a tese?

como fazer uma redação perfeita
aluna com dúvida na redaçãofreepik

Há somente um parágrafo central, o que não tem nada de errado, mas é mais um risco, porque argumentar num único parágrafo é para poucos! Isso é resultado de “gastar” na introdução… aquilo que foi excesso na introdução deveria estar no desenvolvimento, no meio do texto.

Ah, mas você deve ter notado uma certa dificuldade de ler e entender de imediato, né? Para mim foi difícil. E houve também uma perda de paralelismo no começo da frase “e também a relativização”.

Pode observar como ficaria mais claro dizer “nem também a relativização”!

Mas deu para entender que é o caso de se fornecer sim medicamentos caros pelo SUS, considerando o contexto brasileiro, considerando que a saúde em geral vai melhorar. O aluno acha que o negócio é se repensar o orçamento para dar conta disso.

Agora, cá entre nós… o aluno não aceitava a participação dos ministros nessa decisão, lembra? Mas parece que ele deixou pra lá.. não tocou mais no assunto. Lembre-se disso também: a argumentação tem que ter a ver com a tese. A tese é justificada na argumentação. A argumentação não serve para falar do tema, serve para justificar sua tese sobre o tema!

Conclusão – ah, agora tudo fica (um pouco) mais claro!

como fazer conclusão
aluna entendendo a redação – freepik

Imagine que você só leu a conclusão desse aluno. Agora tente adivinhar o que teria sido dito na redação para ele ter chegado a essa conclusão.

Ele teria decidido mostrar que é nosso direito (direito de cada um de nós) receber o medicamento de alto custo, porque também atinge o direito coletivo.

E agora compare com a tese. Ficou diferente, não? Agora que o texto terminou nós entendemos claramente a intenção do aluno, veja só!

Sobre a história do “marimbundo” lançado ao mar, juro que não entendi. Deve ter sido escrita para fazer par com a frase final lá da introdução, o que você acha? Tipo… chave-de-ouro… enfeite.

E leve isso com você: redação de prova é objetiva. Objetiva é redação que não deixa nada no campo simbólico, para o leitor adivinhar ou interpretar. Imagine um documento, como um contrato de venda de um bem, ou o certificado de conclusão do seu ensino médio – como ele ficaria se fosse incluída linguagem poética ou trechos cheios de simbolismo?

É a mesma coisa com a redação, ok? Tire da sua cabeça a ideia de que você vai impressionar o leitor, ou que ele vai te dar nota a mais por coisas assim. Pior que ainda pode tornar sua redação obscura – aí sim isso vai entrar na sua nota, mas com perda de pontos.

“Receita de bolo” pra redação – fique fora disso!

receita de bolo para redação
receita de bolo para redaçãofreepik

Fica difícil entender como o aluno obteve uma nota assim boa, não é?

Quando nós, professores, vemos uma redação com esse tipo de introdução, especialmente, já entendemos que o aluno foi vítima de quem ensina fórmulas para redação. E geralmente é o aluno que faz a introdução antes até de decidir o que pretende dizer realmente na redação toda. Por isso ele diz uma coisa na introdução e outra na argumentação.

Como diria meu ex-aluno Guilherme, é a maldita “receita de bolo”. Ele estava farto de “receitas de bolo” que não ajudavam em nada a melhorar a redação. Ele mesmo conta isso neste vídeo:

E toda “receita de bolo” espertinha diz que você precisa citar filósofos, de preferência…

O aluno citou Kant, como se eu, professora, ou o corretor – professor – fosse obrigado a conhecer a obra do filósofo… se o aluno quer que eu entenda 100% o argumento dele, que está ligado a Kant, é absolutamente necessário me falar mais sobre o que Kant pensava!

Se ele não estudou Kant, isso não seria possível, e a citação de Kant não só não ajudou como atrapalhou!

Ótima aula esta ein? Imagina como você pode evoluir rápido com uma única aula comigo! Você já vai ficar ainda mais atento na sua próxima redação para coisinhas que não se ensina em colégios e cursinhos mas que vão ter peso na hora da prova.

Estes artigos também vão te agradar:

Esta aluna teve a redação avaliada por mim!

Pontuação é mais fácil do que te contaram

post 786 – Este erro de coesão na redação não é culpa sua

Quando você usa um “ademais” e ele destrói a coesão da redação…

coesão errada
aluna descobrindo que fez coesão errada – freepik

Erro de coesão leva embora muuuuitos pontinhos seus! Hoje vou mostrar um erro super comum pra você já ficar esperto!

Estes dois parágrafos que você vai ver agora são de uma redação de aluno do curso virtual para concurso, que foi escrita em 2021.

Observe a ligação entre os dois parágrafos, que faziam parte do miolo da redação:

Com a chegada da pandemia do COVID-19 e o necessário isolamento social, a frequência de uso de redes sociais aumentou entre os indivíduos do corpo social, acarretando o crescimento do cyberbullying, pois há cada vez mais pessoas se escondendo através de ícones. Além disso, aplicativos como o Instagram, trazem consigo a distorção de imagem que introdução faz com que indivíduos se comparem com vidas irreais de outros usuários.  Pode se ressaltar também o fator dito pelo famoso ditado “cabeça vazia oficina do diabo”, causado pelo tempo livre devido à quarentena.

Ademais, por consequência de um passado histórico muito trágico e difícil, os pais possuem a tendência de cada vez proteger mais seus filhos de dificuldades e sofrimento, porém isso causa um problema muito visto na geração atual: a fácil frustração diante de situações de “perigo”. Entretanto isso facilita o aumento de doenças mentais, pois esses jovens criam traumas facilmente, justificando parte dos 11,5 milhões de indivíduos com depressão no Brasil, por isso como dito por Gandhi, “temos que nos tornar a mudança que queremos ver”.

lista de conectivos para redação

Ah… a mania do “Ademais!

Às vezes esse conectivo é uma cilada

Certamente você notou que o segundo parágrafo não é uma adição ao que o primeiro dizia. O “Ademais” está totalmente errado ali. Bem… espero que tenha notado.

Sim, eu já falei disso antes, mas esse tipo de erro não para de aparecer por aqui!

Ademais = e = além do mais

Olha só o que o aluno estava dizendo:

  • No primeiro parágrafo o aluno me disse que o cyberbullying aumentou durante a covid, e que foi intensificado pelo Instagram.
  • E no segundo parágrafo o aluno me disse que os pais não ajudam os filhos a suportar frustrações, o que leva a doenças mentais.

E… o que uma coisa tem a ver com a outra?

Deve ter alguma coisa a ver, mas não é uma soma de coisas semelhantes, concorda?

Ademais só serve para adicionar coisas semelhantes.

correção de redação

Eu acredito que o segundo parágrafo seja talvez uma causa possível para essa tendência ao cyberbulling, será que não?

Se for isso mesmo, então em lugar do “Ademais” o aluno deveria usar um “Por trás dessa situação” ou “Isso decorre de”… Assim ficaria claríssima a ideia de causa.

Esse tipo de falha está ficando cada vez comum porque muitos alunos sem treino aprendem por aí que é só jogar um “Ademais” entre parágrafos e está tudo perfeito!

Só que não.

O que Gandhi faz ali?

E já vou aproveitar para comentar aquela estranhíssima citação de Gandhi… Certamente você também notou.

Será que o fato de tanta gente estar em depressão faria o aluno se lembrar da frase de Gandhi?

Totalmente desconexo. Mas é outra mania que está sendo ensinada – sei lá por quê: os alunos estão sendo ensinados a citar fontes mesmo que não tenham nada a ver com o que está sendo dito.

Eles fingem que são eruditos, e os professores-corretores fingem que acreditam… E aí você perde pontos na coesão e não sabe por quê…

É isso… aproveita pra observar se você não está usando “ademais” na sua redação do jeito errado! Sim, porque é o tipo de coisa que raramente as escolas ensinam!

Acho que isto te interessa:

Como fazer para não usar clichês?

Pode usar “a qual” e “cujo”?

O certo é “lhe dar” ou “lidar”?

Este erro está na mídia – cuidado para não levá-lo para sua redação!

“Lhe dar” e “lidar” parecem a mesma coisa, não é? Mas não são.

E são tão diferentes que esse erro afetaria sua redação com absoluta certeza.

O pior é que jornalistas e redatores não sabem a diferença e por isso esse erro está por toda parte!

Eu já tinha comentado sobre a diferença entre esses dois num antigo post meu. E pra quem pensava que ninguém cometia aquele erro, aqui estamos nós novamente…

Dar a quem?

Encontrei o mesmo erro neste blog, enquanto buscava textos de apoio para meus alunos. Olha ele lá:

lhe dar ou lidar

Lhe dar = dar a ele ou dar a você

lhe dar ou lidar

Dar a quem?! A Você? A mim? Não faz sentido na frase, concorda?

A frase correta neste texto seria

“… a terapia é uma das principais portas para lidar com todas essas questões”

A terapia ajuda a gente a agir com essas questões! É isso!

Recordar é viver!

Vamos recordar:

lhe dar = dar a ele/dar a ela/dar a você

lidar = agir numa situação/lutar

Os dois existem, mas são sentidos e usos completamente diferentes!

Inclusive são palavras pronunciadas de formas diferentes, você nota?

lidar ou lhe dar

Observe onde fica sua língua na boca, quando pronuncia cada uma delas.

Tá explicado, agora faz uma gentileza pra prof aqui? Conta pros seus colegas essa diferença.

Os seguidores que leram este artigo, também gostaram destes:

Progressão textual? O que é isso?

Acabe com esta mania!

post 784 – Você também aprendeu a fazer introdução do jeito errado?

Aluna escreve uma longa introdução na redação e esquece o principal!

como fazer uma introdução de redação

95% dos alunos capricham na introdução da redação, mas perdem o foco!

Sem falar no tempo perdido…

E foi um pouco o que aconteceu com a introdução de uma redação da Isabella, do meu curso virtual. Ignore as marquinhas numeradas, e preste atenção na introdução – ela deixa clara qual a intenção da Isabella com o texto?

como escrever uma introducao

Falou, falou e…

Você acabou sem saber qual a intenção da Isabella com o texto. Eu também.

Veja o que a Isabella contou para você:

  1. a sociedade é patriarcal
  2. por ser patriarcal podemos analisar as profissões com mais homens e as com mais mulheres
  3. homens e mulheres têm instintos animais diferentes
  4. além disso, homens e mulheres sao segregados pela sociedade
  5. o resultado é a formação de seres humanos com personalidades diferentes

E eu te pergunto agora: qual a opinião da Isabella sobre o assunto? O que será que vem no meio do texto?

Sim, porque a introdução não é enfeite! Não! Se a introdução da redação argumentativa não tem tese, pode pôr lá o nome daquele filme, a letra daquela música… o que você quiser – não vai dar certo.

Introdução de dissertação argumentativa de prova precisa ter uma tese.

A introdução serve para avisar qual sua intenção ao escrever aquele texto. E qual a intenção da Isabella? Difícil saber…

pode ser que ela queira analisar as profissões com mais homens e as com mais mulheres..

mas pode ser que ela queira falar da segregação social de homens e mulheres..

ou ainda pode ser que ela vá explicar como é esse negócio de as pessoas terem personalidades difernetes porque são segregada, ou porque têm instintos diferentes…

Tanta coisa né?

como fazer uma introdução na redação
aluno com problemas na introduçãofreepik

Vá logo ao que interessa!

Pela minha experiência eu posso apostar que a Isabella não tinha muita certeza do que queria me contar com a redação dela, e tentou escrever bastante coisa na introdução pra ver se saía uma redação.

Nunca se começa um rascunho desse jeito! A primeira coisa que você deve fazer ao começar o rascunho é dizer ao leitor qual sua intenção.

A primeira coisa é nunca escrever a introdução inteira e prontinha logo de cara, logo no começo do rascunho. Isso é péssimo! Se você faz isso já deve ter notado como consome tempo seu que não vai garantir nota.

No rascunho escreva apenas sua tese. Sua intenção com seu texto. Só. Isso é uma sacada que vai ajudar demais! A isabella poderia escrever apenas algo como

“Há profissões com mais homens e outras com mais mulheres porque existe uma verdadeira segregação social”

Pronto. Tá aí a intenção dela com o texto que vem depois!

Não invente moda de lembrar de fime, frase… nada disso! Agora não é hora. Você faz isso depois tranquilamente!

Escreveu sua tese? Então corra para a argumentação, aproveite enquanto suas ideias estão aí. Saia dessa vida de perder tempo enrolando na introdução, e foque no que interessa – deixe pra melhorar o parágrafo dela depois! DEPOIS!

100% dos alunos que tentam fazer o rascunho começando apenas com a tese, nunca mais reclamam de bloqueio para começar a redação! Ela sai fácil e não existe o risco de prejudicar a argumentação toda porque não tinha tese!

Sem falar que a introdução fica perfeita, sem aquela cara de redação de cursinho, sabe? Dá vontade mesmo de ler o texto. É outro nível!

Eu sei que eu já falei disso antes, mas professor repete mesmo, não tem jeito: faça uma tese na introdução, depois você pensa nos detalhes. Introdução não tem que ser longa, introdução não tem desenvolvimento nela mesma. Captou?

Acho que você vai se interessar por estes artigos:

E passar a limpo, você sabe?

Alerta para vestibulandos de primeira viagem