“No Enem não pode repetir palavras?”

Eu já tinha postado algo sobre essa mentira de que não se pode repetir palavras na redação, lembram-se?

Simplesmente não se consegue escrever sem repetir palavras, você aprendeu na escola que não existe sinônimo, perfeito, lembra? Se você não  pode repetir palavras, e se você não vai encontrar um sinônimo perfeito, o que você deve fazer então? 😮

O professor Ataliba de Castilho, que lecionava na Unicamp, tem sua gramática (para professores e estudiosos) nas livrarias, e nela ele inclui um capítulo somente para mostrar a importância de se repetir palavras! Veja aqui:

dsc03126

No caso do Enem, a cartilha avisa para evitar “repetição ou substituição inadequada de palavras sem se valer dos recursos oferecidos pela língua (pronome, advérbio, artigo, sinônimo).”

Não está 100% claro se eles avisam para evitar a repetição ou a repetição inadequada… Bem… repetição inadequada não fica bem mesmo! Dá um ar infantil ao seu texto! Agora… repetição não tem como não acontecer numa redação, concorda? Uma das redações nota 1000 no Enem repetiu a palavra “leitura” 8 vezes no texto todo! Dê uma olhadinha aqui...

E o edital do Enem também já avisa que não vai aceitar substituição inadequada. Com toda a razão… esse negócio de ir jogando todos os sinônimos  que você lembra não vai funcionar… eu já contei aqui aquele caso do aluno que substituiu “criança” por  um nome muuuito engraçado!  😀

 

É, você já percebeu um mal entendido nessa história… Não é nada bom repetir palavras desnecessariamente. Repetições desnecessárias são as repetições infantis, típicas de quem não quer reler o que escreve! Esse tipo de repetição é bem feia mesmo, mostra que o texto foi feito sem atenção, e que você nunca leu seu texto em voz alta! Para ser franca, não costumo receber alunos que cometam essa falha, os alunos sempre tomam esse cuidado.

Veja um parágrafo com repetição desnecessária: 

“A Igreja Católica sempre procurou catequizar o maior número de índios, passando aos índios os valores e crenças do Velho Continente. Havia um forte etnocentrismo do europeu naquela época, que acreditava que a cultura dos índios era inferior; portanto os índios deveriam ser eliminados.”

Esse tipo de repetição acontece mais no ensino fundamental, e obviamente não é necessário repetir tantas vezes a palavra para ser claro!

 

Agora vou mostrar um desastre numa redação de vestibular, causado pelo medo de repetir palavras:

“Uma grande polêmica da atualidade gira em torno da legalização das drogas. Devemos lembrar que, embora prejudiciais, os alucinógenos afetam apenas os que os usam, não havendo, portanto, razões para considerar o usuário um criminoso. Sem mencionar que o uso de tóxicos como o álcool e o tabaco é permitido por lei, ainda que estes sejam, em muitos aspectos, piores que as drogas ilegais. O tabaco, por exemplo, é um estimulante com o maior poder de dependência (80%), superando até mesmo o crack (35%), e o álcool – o entorpecente que mais mata no mundo.”

 

Esse aluno aprendeu que não podia repetir palavras. Então ele morria de medo de repetir! O que ele fez? Começou a usar sinônimos desesperadamente! Como ele não queria repetir a palavra “droga”, o texto foi trazendo dúvidas e mais dúvidas para quem lê, porque ele não conseguiu encontrar sinônimos perfeitos (nem existem!) – entorpecente não é a mesma coisa que estimulante, que não é a mesma coisa que alucinógeno e etc! De repente ele não está mais falando da mesma coisa!

O medo dele o levou a criar um problema de coesão bem sério! Valeu a pena seguir essa bobagem de não repetir palavras?

Imagine se ele tivesse de escrever um livro sobre drogas 😮 !! Ia ser um livro de 2 parágrafos 😀 !

Era absolutamente necessário que esse aluno escrevesse assim:

“Uma grande polêmica da atualidade gira em torno da legalização das drogas. Devemos lembrar que, embora prejudiciais, as drogas afetam apenas os que os usam, não havendo, portanto, razões para considerar o usuário um criminoso. Sem mencionar que o uso de drogas como o álcool e o tabaco é permitido por lei, ainda que estes sejam, em muitos aspectos, piores que as drogas ilegais. O tabaco, por exemplo, é um droga com o maior poder de dependência (80%), superando até mesmo o crack (35%), e o álcool – a droga que mais mata no mundo.”

 

Se você continuasse com essa mentira na cabeça, ia chegar um momento em que você ia me perguntar quantas vezes se pode usar uma mesma palavra num parágrafo!? Já pensou?

Ficou clara essa história do “não pode repetir palavras”? O importante é a clareza!

***

Aulas teóricas grátis para vestibular

Aulas teóricas grátis para concurso

Caia fora de cursos demorados e caros:  desbloqueio sua escrita pela internet ou ao vivo! E é rápido!

Anúncios

3 respostas em ““No Enem não pode repetir palavras?”

  1. amei o que voce falou, prof,mas dá um medo!!!!! minha professora na escola falou também que pode repetir, só tem que ver se ficou bom. Éverdade.
    Acho que tem que escrever assim como você fala, assim vai mais rápido,mas sempre vem um medo!

    Curtir

  2. Pingback: Pode repetir palavras! Caiu a “regra”! | blog do curso Escrevacerto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s